Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Venezuela | Escaladas secas e molhadas

18 Mar – Jueves

Como Francisco teria que voltar para Puerto la Cruz pela manhã, saiu com Claudio às 5h da manhã para mostrar o local onde escalaríamos. Chiquitita e eu resolvemos não acordar temprano e dormimos até às 7h. Como choveu, ficamos morgando até às 10h. Compramos alguns mantimentos para o café em uma bodega próxima e encomendamos o jantar para Noemi, filha de Cheymo que mora na casa ao lado. Finalmente seguimos para onde eles chamam de Puertas de Miraflores, um impressionante cânion com paredes de 300m de altura e um rio correndo no fundo. Bonito demais!!!

Para chegar ao início da trilha basta atravessar duas pontes de metal, a partir daí a “trilha” segue por uma calçada, isso mesmo, calçada, que vai até às Puertas, após atravessar o rio quatro vezes. Não leva mais de 30 min. Fomos conhecer o setor Hechizo Del Viento, lá entramos na Vipassana (5.10a) e El Encontro (5.10d). A primeira com grande agarras, um buraco no meio da parede para descanso e um tetinho onde quase voei guiando. A segunda, mais delicada, Claudio assumiu. Marcinha experimentou as duas 😉 Encerramos o expediente, voltamos para casa já com a noite cobrindo a floresta e paramos na bodega para comprar bebidas e jantar na Noemi. Fizemos a digestão durante um bate-papo com Cheymo, que deixamos para passar frio no banho de rio. Nessa noite todos foram para o sacrifício. Claudio apagou dentro da barraca, Marcinha e eu esperamos o sono chegar nos embalando na rede…

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Iniciando os trabalhos

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Bela parede

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Claudio em outro teto

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Marcinha no buraco do descanso

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Depois foi descansar de verdade

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Cheio de frescura pra comer!

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Igual a mim 😀

 

19 Mar – Viernes

Acordamos temprano 🙁 A idéia era chegar antes do povo todo que iria para as Puertas no final de semana. Tomamos café com arepa na casa da Noemi e quando estávamos quase saindo, passa um caminhão carregado de venezuelanos na direção da trilha 🙁 Caminhamos os pouco minutos e entrei na primeira via à esquerda do cânion, um fácil 5.7. Marcia e Claudio subiram depois. Ela ficou de castigo no final da primeira enfiada, enquanto Claudio e eu continuamos pela parte mais dura da via. Rapelamos, resgatamos a Chiquitita e fomos em um lugar que eles chamam de redemoinho, uma curva de rio que é mais funda e os mais corajosos pulam após subirem por um pequena escalada. Sem pensar muito, subi e me joguei lá de cima, Claudio seguiu o exemplo. Marcinha subiu e pulou também – depois de uma meia hora e algum incentivo –, mas depois viciou e se jogou outras vezes sem medo. Depois do refresco, Claudio entrou na Los Bolletes (5.10c) e foi protagonista de um vôo lindo de uns 6 metros, que me puxou e eu também voei pra cima na sua segurança. Já era tarde, a via difícil, eu experimentei, mas não subi. Arrumamos as mochilas e as headlamps nos guiaram na trilha de volta. Passamos na bodega para comprar bebidas antes do jantar. Como na noite anterior eu limpei o prato enquanto Claudio e Marcia deixaram muito, Noemi achou que tinha colocado pouca coisa para mim e nessa fez uma montanha de macarrão para eu destruir. Cheguei a ver um balãozinho sobre a cabeça dela com “Quero ver tu comer isso tudo hoje, miserável!” 😀 Nessa ela me venceu! Jiboiamos algum tempo e fomos para o banho gelado nosso de cada noite. Rede, cama e sono.

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Bunidimais!

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Batatão

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Vista de baixo do cânion

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Uhuuuu

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Vaaaai…

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Apaixonei pelo lugar

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Las Bolletes

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Banho nosso de cada noite

 

20 Mar – Sábado

Acordamos, advinha? Temprano. Esperamos o pão chegar na bodega, comemos com suco e partimos para as Puertas. Entrei em um 5.8 chistoso, foi quando começou uma chuva de pedras. Não era só uma pedrinha caindo da via, era uma chuva de pedras mesmo. Quentes. Foi um corre-corre, eu grudei na parede, Marcia, fazendo minha segurança, se protegeu como pôde e Claudio procurou não ser acertado também. Haviam feito uma queimada no topo do morro e aquilo causou vários desmoronamentos de rochas quentes. Terminei de guiar, o susto passou e Marcia começou a se preparar para subir. Caiu uma nova chuva de pedras. Nesse instante nos olhamos e concordamos que a situação estava realmente perigosa. Marcinha saiu do cânion e eu, que já havia descido, fiz a segurança para o Claudio subir e limpar a via. Feito isso, caminhamos rio abaixo. Avisamos uma dupla de escaladores que estavam chegando sobre o perigo, estes resolveram correr o risco e entraram no cânion, para depois voltarem. O restante do dia girou entre banhos de rio, boulders, conversas, comida e cochilos em rede. Ao longe acompanhávamos a queimada e as rochas que continuavam rolando. Algumas realmente grandes. Imaginem uma geladeira caindo de uma centena de metros…

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Última via no cânion

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Bôra brincar de boulder

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

E curtir o rio também!

 

Quando o sol começou a se esconder, partimos. Encontramos gente indo para o cânion e perguntando sobre as pedras, avisávamos o que estava acontecendo e continuávamos o caminho. Nessa noite compramos peixe seco para o jantar. Noemi preparou rapidamente e Francisco, que havia retornado, após o trabalho em sua cidade, nos acompanhou. Marcia e eu voltaríamos para Puerto la Cruz e de lá para Caracas, de onde voaríamos para o Brasil. Francisco e Claudio seguiriam viagem para um Tepui, onde planejavam escalar, talvez conquistar.

Venezuela | Escaladas secas e molhadas | Rio Caminhadas.com.br

Nossa casa

 

Nosso cicerone nos desenhou um mapa com o trajeto que deveríamos seguir e os valores médios que nos cobrariam. Uma maratona de conexões até chegar em Puerto la Cruz, pois não há transporte direto. Quanto à hospedagem que Cheymo nos ofereceu, não é fixado um valor. Você colabora com o que acha justo. Perguntamos a Francisco se 150 BF era suficiente para saldar a conta de nós três, era. Detalhes acertados, visitamos o rio para o último banho em Miraflores, arrumamos as mochilas e o sono nos abraçou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *